Dicas de viagem: Nova Orleans (parte 1)

Eu e minha família tivemos alguns dias de folga aqui em Nova York e fomos curtir umas miniférias de verão em Nova Orleans, cidade que há algum tempo eu queria conhecer. NoLa, como é chamada, é a cidade mais populosa do Estado da Lousiana e ir até lá é uma verdadeira imersão na cultura sulista americana.

Ela é uma cidade multicultural, com forte influência francesa, espanhola e afro-americana e seus grandes destaques são a culinária e a música, principalmente o Jazz. Mas o calor não está somente na comida cajun. Por ter um clima subtropical, o verão por lá é bem quente e úmido. Sendo assim, não deixe de sempre carregar uma garrafinha de água e colocar roupas leves na mala, chapéu, protetor solar e óculos escuros, principalmente se estiver com crianças.

Nós ficamos quatro noites por lá, mas acredito que 2 ou 3 já sejam suficientes. Portanto, aqui vou compartilhar com vocês a minha experiência com minha família na “Big Easy”, como é apelidada pelos locais.

Dia 1:
Chegamos já no fim da tarde. Fizemos check-in no AC Hotel by Marriott (221 Carondelet St) , que fica próximo ao French Quarter e à Bourbon Street, onde concentram as principais atrações da cidade. Apesar de ficar bem perto, ele é muito silencioso e não tivemos problemas com barulhos externos. Após nos instalarmos, fomos conhecer um pouco das redondezas e passeamos pela Bourbon Street. Eu, particularmente, não gostei muito desta rua. Por ser uma região boêmia, havia muitas pessoas embreagadas e moradores de rua, e rua cheira mal. Em compensação, adorei a Royal St, que fica paralela à Bourbon.

Com a área devidamente reconhecida, fomos jantar no Oceana Grill (739 Conti St), um dos restaurantes mais famosos da cidade. Eu adorei o Crab Cake, realmente muito saboroso. O lugar é enorme e fica muito cheio para o jantar já à partir das 18h30. Como não aceita reservas, a minha dica é chegar por volta das 17h /17h30. Quem não gosta de comida apimentada, o ideal é perguntar aos garçons se há a possibilidade do prato vir sem os temperos (“no Spicy”) ou ainda escolher os pratos menos picantes. Já que uma das características da comida de Nova Orleans é justamente esse toque picante. Por lá, você também verá uma vasta quantidade de pratos à base de frituras, outra marca da cidade.
Após um belo jantar, voltamos para o hotel para nos preparar para o segundo dia em Nova Orleans.

Dia 2:
A manhã do segundo dia foi dedicada às “plantations”. São fazendas históricas dos séculos XVIII e XIX que produziam cana-de-açúcar e algodão e tinham como mão-de-obra pessoas negras escravizadas.

Para o passeio, contratamos a empresa Old River Road, que foi a que tive melhores indicações. O tour tem duração de 6 horas. Eles nos pegaram no hotel às 8h da manhã e retornamos às 14h. Eu adorei o guia e super recomendo a empresa. Escolhemos conhecer duas plantations, a Oak Alley e a Evergreen.

Eu gostei bastante do tour da Oak Alley, apesar do clima pesado do lugar, já que ali havia muito sofrimento devido à escravidão, a visitação foi muito interessante. Quando reservamos os passeios, temos que escolher duas “plantations” e escolhi como segunda opção a Evergreen, onde foi filmado “Django Livre”, de Quentin Tarantino. Todo o tour é feito em inglês, tanto o guia da Old River Road quanto as pessoas das fazendas só falam inglês. Então, o ideal é que se tenha um bom nível da língua para entender o que os guias falam. Éramos dois adultos e duas crianças. Como o meu filho mais velho tem apenas três anos, somente eu e meu marido pagamos pelo passeio (US$90 cada). Achamos caro, mas mesmo assim é um programa que não pode faltar em NoLa.

Eu achei o tour um pouco longo e se tivesse a opção de escolher apenas uma plantation, teria feito isso. Principalmente, porque a Evergreen é praticamente feita pelo lado de fora da casa e o dia estava bem quente.

Infelizmente, não se pode tirar fotos ou filmar os casarões por dentro.

Na volta, o guia nos deixou no Aquário das Américas (Audubon Aquarium of the Americas), que é simplesmente incrível! É um lugar maravilhoso para as crianças, além de ter um ambiente muito agradável. Ele é enorme e foi ótimo ficar no ar condicionado após uma manhã inteira no calor escaldante das plantations. Para o aquário, usamos um dos passes do Sightseeing Pass, que comprei na opção de Flex Pass com cinco atrações.
Se você estiver com crianças, não deixe de incluir tanto o aquário como o zoológico em seu roteiro, pois eles são excelentes. Eu e os meninos adoramos!
Para terminar esse dia, escolhemos jantar no K-Paul´s Lousiana Kitchen, um dos lugares mais tradicionais de NoLa. A comida é muito boa, porém demorou um pouco para chegar em nossa mesa.

Nós adoramos os nossos dois primeiros dias em Nova Orleans e no próximo post vou falar dos terceiro e quarto dias.

Com carinho, Marina.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.

*