Dicas de viagem: Nova Orleans (parte 2)

Neste post continuo compartilhando as minhas miniférias de verão em Nova Orleans, cidade que adorei conhecer. O primeiro e segundo dias estão bem detalhados neste post aqui.

Dia 3
O nosso terceiro dia começou no Audubon Zoo. O zoológico fica às margens do Rio Mississippi e é um passeio maravilhoso! Principalmente para as crianças. As estrelas por lá são os elefantes, os raros tigres-brancos e, claro, os macacos e gorilas. Há também uma região de pântanos, típicos do estado da Louisiana, com crocodilos e jacarés. O passeio dura em média 2 horas e meia e para conhecê-lo usamos um dos passes do Sightseeing Flex Pass. Adorei e super indico.

Após o zoológico, pegamos um Uber para conhecer um pouco mais de Nola. O motorista nos levou até a Magazine Street, que é uma rua muito legal e charmosa com vários cafés, bares e lojas. Nada muito sofisticado, mas eu adorei! Ele, inclusive, nos indicou alguns restaurantes por lá.

Nosso tour terminou no Museu Nacional da II Guerra Mundial, que anteriormente era conhecido como Museu Nacional do Dia D.(www.nationalww2museum.org) Ele é o maior museu do país dedicado ao tema e a visita é muito interessante. São quatro prédios de atrações bastante interativas.

Uma área que gostei muito foi o Louisiana Memorial Pavilon. No teto estão vários aviões de combate que estiveram na Segunda Guerra Mundial e no chão ficam os tanques e outros veículos, como os submarinos. Se quiser ver mais detalhes dos aviões, suba até o terceiro piso pois lá tem um deck-observatório para as aeronaves. Super recomendo a visita ao museu. Os ingressos custam US$28 por adulto e US$18 para crianças de 5 a 12 anos. Crianças até cinco anos não pagam. Nessa atração nós também utilizamos o passe turístico do Sightseeing Flex Pass.

Já no fim da tarde fomos ao Fogo de Chão para um almoço-jantar, já que o restaurante fica bem próximo ao hotel que nos hospedamos, o AC Hotel by Marriott. Eu não gostei muito da nossa experiência! Definitivamente nem se compara ao de Nova York. Com exceção do maître, eu não vi nenhum outro funcionário brasileiro. As carnes, por exemplo, não eram cortadas por brasileiros e não vinham fininhas como estamos acostumados. A comida do buffet também não estava saborosa. Me decepcionei um pouco.

Dia 4
Depois de vários dias caminhando bastante, resolvemos fazer o tour nos ônibus hop-on hop-off para conhecer um pouco mais sobre a história da cidade.

Adorei! O tour dura cerca de 2h. O guia conta muitos curiosidades da cidade. O ônibus pára em 18 lugares estratégicos, os quais você pode descer e explorar a região. O guia fala somente em inglês, o que pode não ser tão legal para quem não entende muito o inglês.

Iniciamos o nosso tour no ponto 5 (BASIN ST. STATION – Visitor Information Center) e descemos no MARDI GRAS WORLD (ponto 16), local onde são guardados os personagens dos desfiles de Carnaval. Descemos lá por conta das crianças, não é nada demais.

Outro lugar que descemos foi o JACKSON SQUARE (ponto 1), onde conhecemos a St. Louis Cathedral e caminhamos até o French Market. Na Jackson Sq. você encontra também o tradicional Cafe du Monde, que é um renomado café que virou ponto turístico da cidade pelo seu beignets que é o doce mais tradicional de New Orleans. Esse dia estava tão quente que não me deu vontade de provar o doce, ele parece muito com o donut frito com bastante açúcar de confetieiro por cima. Então, resolvemos seguir direto até o French Market.

Minha opinão sobre o French Market: acho que não vale muito a pena conhecer se você tiver poucos dias na cidade. Achei o local bem simples e sem muitas opções de comida.

Depois pegamos um uber até o hotel para descansar um pouco, para depois fazermos um dos programas que mais vale a pena na cidade: escutar um bom jazz!

Claro que não deixamos de fora da nossa programação escutar uma boa e tradicional banda de Jazz. Fomos assistir o show no Preservation Hall que é a casa mais tradicional de jazz da cidade. A casa está aberta todos os dias da semana desde 1960. O valor é US$40 por pessoa e tem duração de 45 minutos.

Indico fazer a reserva antes para evitar fila. Diariamente são realizadas 5 apresentações, às 15h, 18h, 20h, 21h e 22h. Não é permitido tirar fotos nem filmar. O local é pequeno e possui a mesma decoração desde quando abriu.

Dia 5
Neste nosso último dia em Nola já estávamos bem cansados, já que o clima por lá é muito quente e úmido. Fomos apenas dar uma volta no Museu de Borboletas e Insetos (Audubon Butterfly Garden and Insectarium), que por sinal, as crianças adoraram. Após o passeio, voltamos para o hotel para voltarmos a minha saudosa NYC.

Minha avaliação de quatro dias e meio em Nova Orleans:
Gostamos muito de NoLa, mas acho que duas ou, no máximo, três noites são suficientes. Fizemos bastantes coisas a pé e para as atrações mais distante usávamos o Uber. Uma coisa que não fizemos, mas também é uma atração da cidade, foi andar de bondinho, cuja a passagem custa US$1.25.
Nova Orleans é, acima de tudo, uma cidade feliz, muito vibrante, plural e acolhedora. Adorei esses nossos dias por lá.
E você, já esteve em Nola? Me conte como foi a sua experiência.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.

*